9 de mar de 2012

“As horas”: os últimos suspiros do Anjo da Casa


*Luana Borges (especialmente para o blog)

“Era a morte. Eu escolhi a vida”, são essas as palavras de Laura Brown – personagem do filme "As horas", de Stephen Daldry – ao justificar porque abandonou, nos anos de 1940, o marido, os dois filhos pequenos e uma casa abastada em um bairro tranqüilo de Los Angeles.

“Você acha que algum dia vou me libertar?”, essa também é uma fala do filme, dita pela personagem que representa a escritora Virginia Woolf.  No longa, a autora é retratada nos anos de 1920, período em que se exilava em um subúrbio de Londres. A essa época, lutando contra a insanidade, ela concentra esforços à escritura de seu grande romance: Miss Dalloway.

O filme “As horas” traz então uma versão moderna para a Senhora Dalloway de Woolf, encarnada na personagem Clarissa Vaughan.  Ela é uma editora que, assim como a protagonista do romance, tem um único dia de sua história narrado: 24 horas que resumem as sensações de uma vida inteira e que carregam um desfecho surpreendente.  Na jornada, que se passa em 2001, ocorrem os preparativos para uma festa. Nesse dia, a anfitriã Clarissa – que se esconde sob o manto da autoconfiança, assim como Miss Dalloway – tristemente dirá: “parece que estou me dissolvendo”.  




As vidas dessas mulheres – a escritora Virginia Woolf nos anos 20, a dona de casa Laura Brown nos anos 40 e a editora Clarissa Vaughan nos dias de hoje – se entrelaçam no filme de Stephen Daldry. Inspirado em “Miss Dalloway" e baseado no romance "As horas", de Michael Cunninghan, o diretor mostra as sensações de suas heroínas em uma narrativa altamente psicológica. Nela se fundem, a partir de cortes temporais, três épocas diferentes e três mulheres distintas.  Mas essas personagens têm em comum alguns pontos: o sentimento de clausura e a necessidade de matar certo espírito compassivo e profundamente abnegado que rondava suas vidas.

A escritora Virginia Woolf – aqui se fala da personagem real e não da figura fílmica – vai explicar em um discurso, proferido em janeiro de 1931 para a Sociedade de Mulheres Trabalhadoras da Inglaterra, o que entende sobre este espírito terno e adulador:

“O fantasma era uma mulher e quando vim a conhecê-la melhor eu comecei a chamá-la como a heroína de um famoso poema, o Anjo da Casa. E quando vim a escrever encontrei com ela bem nas primeiras palavras. A sombra de suas asas caiu sobre a página; eu ouvi no quarto o roçar de suas saias. Ela deslizou por trás de mim e sussurrou: ‘minha querida, você é uma moça. Você está escrevendo sobre um livro que foi escrito por um homem. Seja complacente, seja terna, adule, iluda, use todas as artes e truques de seu sexo. Nunca deixe ninguém supor que você tem uma vontade própria. Antes de tudo, seja pura’. Eu me voltei contra ela e agarrei-a pelo pescoço. Fiz o possível para matá-la. Minha alegação, se fosse levada a julgamento, seria a de que agi em legítima defesa. Se eu não a tivesse matado, ela teria me matado. Ela teria arrancado o coração de meu texto. Matar o Anjo da Casa era parte das tarefas de uma escritora”.

No filme “As horas”, diferentes mulheres – dentre elas a própria Woolf – conseguiram matar o Anjo da Casa em períodos vários da história. São espectros complacentes que, à época de Virginia, diziam aos sujeitos femininos que eles jamais poderiam agir em prol de suas próprias vontades, pois, antes, deveriam sacrificar-se, apartando-se, em prol dos seus: marido, filhos, família. Sob essa óptica, as mulheres deveriam se camuflar nos seus e, nunca, poderiam ter um posicionamento aguerrido – e próprio – na esfera pública. Debatiam-se assim, infelizes, no apartheid de seus lares. De acordo com a metáfora afiada de Woolf, esses espíritos representem a anulação feminina. São os rastros deles que influenciam de forma decisiva no final surpreendente em "As horas". Uma película delicada e reveladora. Nela, a força de três mulheres, três gerações, na tentativa de seguir os próprios destinos.

*Luana Borges é jornalista e mestranda em Literatura pela Universidade Federal de Goiás.




___________



O filme "As horas", será exibido nessa sexta-feira (09/03) às 19 horas,
no Goiânia Cine Ouro (ingressos: R$1), pela Semira Mostra Mulheres no Cinema.


Nenhum comentário:

Postar um comentário